instituto brasileiro arte e cultura
2016 - ano martins pena

Martins Pena
 
013
 
 
 
 
 
Gazy Andraus

História em Quadrinhos, Imagética e Maturidade – XXXII: A Atualização dos Sentimentos e Além (parte 2)

[email protected]
http://tesegazy.blogspot.com/

(Para visualizarem melhor as HQ e desenhos desse texto, salve cada imagem numa pasta e depois abra e dê zoom. Assim será possível ler as histórias em quadrinhos).
Anos depois, um tio, o mais novo dos irmãos de meu pai, e aquele com maior queda para as artes, veio a ser acometido por um câncer.
Os anos foram se passando e os tratamentos reforçados não impediram sua derrocada para a famigerada doença.
Porém, também me era um dos tios que eu mais gostava, principalmente pela atenção e educação que ele despendia para com todos e comigo.
Na infância ele me levava para sua casa para brincar com meu primo de mesma idade, e na adolescência e faculdade viu meus progressos sempre respeitando meus encaminhamentos e estudos.
Numa das últimas visitas que eu fiz à casa dele em Santos/SP, ao adentrar, surpreendi-me com o semblante acolhido e o roupão que ele usava: pela primeira vez visualizei-o acabrunhado e começando a se cansar da luta contra o mal que lhe foi acometido!
Esta visão me foi impactante a ponto de eu, depois de sua morte (que não levou muito mais tempo a ocorrer), conceber uma HQ tentando passar o que senti naquela visão fatal que tive ao adentrar seu lar.
Intitulei-a ``Está ido (ou: sorrindo)´´, e podem lê-la a seguir (figs 6 a 9):


A partida desse meu tio, que deixou toda a família entristecida e pesou em meu pai igualmente, foi quase tão impactante quanto a vez em que um primo que tinha 17 anos (quando eu tinha 11) se foi devido a um acidente automobilístico!
Os anos foram se passando, e outros fatos se desenrolaram, culminando no falecimento de minha mãe quando eu havia acabado de finalizar meus estudos de artes na FAAP e finalmente estava pronto para retornar e morar durante a semana inteira em casa (já não tínhamos mais o restaurante) na cidade de São Vicente...ficou-me a impressão que ela aguardou eu terminar os estudos e finalmente se foi, já que antes me auxiliava no preparo dos lanches, os quais eu levava semanalmente para São Paulo mantendo-me até os finais de semana quando eu voltava à minha residência me alimentando melhor com sua comida.
Depois dessa trágica ida devido ao excesso de fumo (ataque cardíaco), eu, minha irmã e meu pai fomos nos recompondo com um novo modo de se viver em família, sem a figura feminina da mãe.
Então, passei a dar aulas em escolas, que após ano e meio abandonei, principalmente por não ter me adaptado ao sistema burocrático e falido, à época, do ensino escolar, e posteriormente fiz meu mestrado, advindo depois o doutorado!
Minha irmã se casou nesse ínterim e acabei vivendo com meu pai, e aprendendo a estreitar esse laço, apesar de alguns problemas de ideários (principalmente com relação a trabalho, pois ele muito se preocupava com o “futuro” financeiro dos filhos, obviamente).
As coisas foram melhorando quando finalmente eu passei a lecionar em uma faculdade, mas minha relação com meu pai se estreitou mesmo após 2006 principalmente, já que ele quebrou uma perna ao cair dentro de casa, tendo que colocar uma prótese na cabeça do fêmur...na verdade, pouco antes, entre 2000 e 2001 ele sofreu uma cirurgia da próstata, em que principiei o aprendizado de cuidar de outro ser.
Apesar de todas essas reviravoltas, lembro que nunca ele me proibiu ou impediu de ler quadrinhos ou, ainda que quisesse, nem me forçar a estudar engenharia ou medicina, como qualquer pai imigrante desejava. Aliás, as compras de gibis que vieram desde meus 7 anos, eram sempre feitas semanalmente com aval e dinheiro do meu pai, como já mencionei bem nos primeiros textos de minha participação aqui no IBAC...
Enfim, um outro momento muito forte para mim, mas que não deflagrou uma HQ, e sim uma carta-dedicatória, será contado aqui, no próximo artigo.

Gazy Andraus; São Vicente, maio/junho de 2010.

Coordenador do Curso de Artes da FIG-UNIMESP, Pesquisador do Observatório de Quadrinhos da Escola de Comunicações e Artes da USP (ECA-USP), Doutor em Ciências da Comunicação da ECA-USP (melhor tese de 2006 pelo HQMIX em 2007), Mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da UNESP, e autor de histórias em quadrinhos autorais adultas, de temática fantástico-filosófica.

21 de julho de 2010

 


botão voltar
 
 

|| página inicial || apoio e patrocínio || institucional || sítios indicados || ||